Em Portugal, seguimos o modelo parlamentar britânico que resulta em debates compostos por quatro equipas, de duas pessoas, que se confrontam a defender ou atacar uma Moção determinada pelo Painel de Adjudicação. Em torneios como este, as moções são decididas por uma equipa de Chefes de Adjudicação, que as estipulam, com antecedência. O desafio deste modelo é, com quinze minutos de preparação, triunfar a defender um ponto de vista, uma ideia, um modelo, que pode ou não ir de encontro com as convicções pessoais. Acreditamos que é uma actividade útil, dinâmica e que proporciona não só convívio entre estudantes de todo o país como também um treino imprescindível da oratória, visão crítica e a prática do material teórico leccionado nas aulas.

Debater, argumentar, esclarecer, questionar, responder e ouvir, são meios necessários para uma maior percepção da realidade e ajuste de mentalidades. Debater é permitir o desenvolvimento – efectivamente, as grandes respostas às questões humanas ou às questões sobre as quais os humanos se debruçam, necessitaram em todos os momentos históricos de um amplo debate, mais até: de um confronto de ideias e conhecimentos, de problemas e soluções. O estancamento intelectual é um obstáculo ao progresso, e nessa medida o Debate Competitivo Universitário pretende colmatá-lo.